Início Ambiente População disponível para colaborar na gestão de resíduos orgânicos

População disponível para colaborar na gestão de resíduos orgânicos

por admin

No âmbito do projeto europeu Interreg OptiWaMag, que visa a inovação nas políticas de gestão de resíduos urbanos em seis regiões da Europa, onde se inclui Lousada, foi recentemente elaborado um estudo sobre a perceção das famílias e dos estabelecimentos comerciais do concelho no que respeita à gestão dos resíduos sólidos urbanos e à sua predisposição em colaborar na separação de biorresíduos. 

O estudo, que se mostra de grande pertinência, uma vez que as novas metas comunitárias estabelecem que, até 2023, todos os Estados-Membros devem assegurar separação e reciclagem dos biorresíduos na origem ou por recolha seletiva e garantir que não são misturados com outros tipos de resíduos e, até 2025, garantir um aumento de preparação para a reutilização e a reciclagem de resíduos urbanos para um mínimo de 55%, em peso. 

Com a cada vez maior produção anual total de resíduos urbanos e o contínuo enchimento do aterro sanitário, é fundamental procurar soluções que aumentem, por um lado, a consciência desta problemática junto da população e, por outro, a redução da quantidade de resíduos indiferenciados depositados em aterro. 

O estudo desenvolvido baseou-se em inquéritos feitos à população e permitiu constatar que cerca de 20% das famílias não faz separação de resíduos de plásticos, metal, papel/cartão ou vidro. Adicionalmente, cerca de 38% das famílias também não separa os resíduos orgânicos (como cascas e restos de comida) ou verdes (como resultados das podas ou jardinagem), misturando este lixo com o indiferenciado. Nalguns casos, os biorresíduos podem representar até 60% dos resíduos indiferenciados que acabam depositados em aterro, sendo urgente proceder à sua separação e tratamento. 

A maioria da população em estudo demonstrou-se sensibilizada para a importância de uma gestão adequada dos resíduos urbanos, mostrando ainda interesse e disponibilidade em não só reduzir a produção de biorresíduos, como também em separá-los e entregá-los, de forma seletiva. A principal contrapartida identificada é a proporcional redução da tarifa dos resíduos urbanos aplicável, estando recetivos, por exemplo, à adoção de um sistema Pay As You Throw, em que o munícipe paga uma taxa equivalente à dos resíduos efetivamente produzidos. 

O Município de Lousada tem efetuado esforços no sentido de aumentar as taxas de recolha seletiva de resíduos recicláveis – por exemplo através da iniciativa Lixo Sustentável, que devolve aos munícipes o valor monetário do peso dos resíduos recicláveis entregues no Ecocentro. No 

entanto, uma parte das famílias, cerca de 23%, que participaram neste estudo declararam desconhecer as iniciativas em curso, comprovando a urgência de se continuar a educação e sensibilização para a problemática dos resíduos. 

Este estudo foi desenvolvido no contexto de uma tese de Mestrado em Estudos Ambientais, na Universidade de Aveiro, pela aluna Lara Nunes, sob orientação do Prof. Doutor Arlindo Matos e com apoio do Município de Lousada. A tese foi apresentada a 9 de fevereiro e valeu a nota final de 17 valores. 

Também poderá gostar de

Escrever um comentário