Início » Rota do Românico distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia

Rota do Românico distinguida pela Associação Portuguesa de Museologia

por admin

O Centro de Interpretação da Escultura Românica venceu a categoria “Trabalho de Museografia” dos Prémios 2021 da Associação Portuguesa de Museologia (APOM).

Na cerimónia de entrega dos galardões, que decorreu esta sexta-feira, 29, no Museu da Marinha, em Lisboa, foi ainda atribuída à Rota do Românico uma menção honrosa na categoria “Fotografia sobre Património”, por uma imagem da Capela de Fandinhães, Marco de Canaveses, da autoria de Egídio Santos.

Os Prémios APOM têm como objetivo incentivar e reconhecer os agentes e instituições da museologia e do património nacionais, dando visibilidade ao seu trabalho.

É a terceira vez que a Rota do Românico é distinguida por estes prémios. Em 2013, foi reconhecida a qualidade da linha de “merchandising” da Rota e, em 2019, foi a vez do Centro de Interpretação do Românico, em Lousada, vencer as categorias “Trabalho de Museografia”, “Aplicação de Gestão e Multimédia” e “Filme”, recebendo, ainda, uma menção honrosa como “Melhor Museu do Ano”.

Centro de Interpretação da Escultura Românica, aberto ao público no dia 25 de julho de 2020, apresenta uma reconstituição parcial e hipotética da fachada da vizinha Igreja de São Pedro de Abragão (destruída em 1668), com base nos cerca de 70 elementos pétreos com decoração românica descobertos, de forma inesperada, em 2006, durante os trabalhos do arranjo urbanístico do Centro Cívico de Abragão, em Penafiel.

Centro de Interpretação da Escultura Românica

Constituído por uma superfície expositiva de 300 metros quadrados, este centro de interpretação oferece também ao visitante a possibilidade de conhecer o contexto temporal, social e cultural da arte românica, destacando a importância dos pedreiros e escultores na sua materialização.

A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos e dois centros de interpretação, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende).

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

Também poderá gostar de

Escrever um comentário