Home Sociedade CASTELO DE PAIVA TAMBÉM É SOLIDÁRIO COM O POVO DE MOÇAMBIQUE
CASTELO DE PAIVA TAMBÉM É SOLIDÁRIO COM O POVO DE MOÇAMBIQUE

CASTELO DE PAIVA TAMBÉM É SOLIDÁRIO COM O POVO DE MOÇAMBIQUE

0
0

Recolha de alimentos de 1 a 18 de Abril

     Tendo em conta a gravidade da situação e os laços históricos e de amizade que unem Portugal e Moçambique, e considerando a dimensão da devastação e da tragédia humanitária provocada pelo Ciclone Idai, no dia 14 de Março, a Câmara Municipal de Castelo de Paiva associa-se à dor do povo moçambicano, concretamente da província da Beira, e manifesta a sua total solidariedade procurando ajudar e dar apoio na resposta às primeiras necessidades de uma população que ficou praticamente sem nada.

     Neste contexto, e por iniciativa da Rede Social, sob o lema “ Moçambique precisa de todos nós “, a edilidade paivense apela a todos os munícipes que colaborem e sejam solidários com este país, promovendo uma recolha de produtos alimentares enlatados e produtos de higiene pessoal entre 1 a 18 de Abril, sendo que os pontos de recolha são a Câmara Municipal de Castelo de Paiva, a Loja Interactiva de Turismo, o Espaço do Cidadão de Oliveira do Ardae os dois Agrupamentos de Escolas do concelho.

                Recorde-se que, a passagem do Ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui fez pelo menos 786 mortos e afetou 2,9 milhões de pessoas nos três países, segundo dados das agências das Nações Unidas, mas Moçambique foi o país mais afectado, com 468 mortos e 1.522 feridos já contabilizados pelas autoridades, que dão ainda conta de mais de 127 mil pessoas a viverem em 154 centros de acolhimento, sobretudo na região da Beira, a mais atingida.

     Entre os danos materiais, as autoridades moçambicanas registam mais de 90 mil habitações atingidas, das quais 50.619 ficaram totalmente destruídas, 24.556 parcialmente destruídas e 15.784 inundadas, sendo que, foram ainda danificadas ou destruídas 3.202 salas de aulas, afetando 90.756 alunos, bem como 52 unidades de saúde e quase 500 mil hectares de terras ficaram inundadas.

Carlos Oliveira

Gabinete de Imprensa e Relações Públicas